Motivação

“E isso fazei, conhecendo o tempo, que já é hora de despertardes do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando nos tornamos crentes. A noite é passada, e o dia é chegado; dispamo-nos, pois, das obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz. Andemos honestamente, como de dia: não em glutonarias e bebedeiras, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e inveja. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo; e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.” (Romanos 13:11-14)

A degradação da raça humana é sem igual. Nunca se viu tantas mudanças sociais, econômicas, morais e espirituais em tão poucos anos.

A serva do Senhor, no livro Patriarcas e Profetas, discorrendo sobre o dilúvio do passado, compara-o com os dias atuais e diz: “Semelhantemente, quando os juízos de Deus caírem sobre a Terra, antes de seu dilúvio de fogo, os impenitentes saberão precisamente onde pecaram, e em que consiste seu pecado: o desprezo à Sua santa lei. Contudo, não terão o verdadeiro arrependimento mais do que tiveram os pecadores do mundo antigo.” (Patriarcas e Profetas, pág.100)

E continua:

“Os pecados que atraíram a vingança sobre o mundo antediluviano, existem hoje. O temor de Deus baniu se do coração dos homens, e Sua lei é tratada com indiferença e desprezo. A grande mundanidade daquela geração é igualada pela da geração que hoje vive. Disse Cristo: “Assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos – assim será também a vinda do Filho do homem.” Mat. 24:38 e 39. Deus não condenou os antediluvianos por comerem e beberem; dera-lhes os frutos da terra em grande abundância para suprirem suas necessidades físicas. Seu pecado consistia em tomar esses dons sem gratidão para com o Doador, e aviltar-se condescendendo com o apetite sem restrições. Era-lhes lícito casarem. O matrimônio estava dentro da ordem determinada por Deus; foi uma das primeiras instituições que Ele estabeleceu. Deu instruções especiais concernentes a esta ordenança,revestindo-a de santidade e beleza; estas instruções, porém, foram esquecidas, e o casamento foi pervertido, e feito com que servisse às paixões.

“Uma idêntica condição de coisas existe hoje. Aquilo que em si mesmo é lícito, é levado ao excesso. O apetite é satisfeito sem restrições. Professos seguidores de Cristo estão hoje comendo e bebendo com os ímpios, enquanto seus nomes permanecem nos honrados registros da igreja. A intemperança embota as faculdades morais e espirituais, e prepara o caminho para a satisfação das más paixões. Multidões não se sentem sob qualquer obrigação moral de reprimirem seus desejos sensuais, e tornam-se escravos da luxúria. Os homens estão vivendo para os prazeres dos sentidos, para este mundo e para esta vida unicamente. A extravagância invade todas as rodas da sociedade. A integridade é sacrificada pelo luxo e ostentação. Aqueles que se apressam em se fazerem ricos pervertem a justiça e oprimem os pobres; e “corpos” e “almas de homens” ainda são comprados e vendidos. Fraude, suborno e roubo ostentam-se, sem que sejam repreendidos, nos meios altos e baixos.

“As edições do prelo estão cheias de relatos de assassínios, crimes perpetrados com tanto sangue frio e sem motivos que parece como se todo o instinto de humanidade estivesse extinguido. E estas atrocidades se tornam uma ocorrência tão comum que dificilmente provocam um comentário ou despertam surpresa.

“O espírito de anarquia está se insinuando em todas as nações, e as explosões sociais que de tempos em tempos provocam horror ao mundo não são senão indicações dos fogos contidos das paixões e ilegalidade, os quais, havendo escapado à sujeição, encherão a Terra com miséria e ruína. O quadro que a Inspiração nos deu do mundo antediluviano representa mui verdadeiramente a condição a que rapidamente a sociedade moderna caminha. Mesmo agora, no século presente, e nos países que se professam cristãos, há crimes perpetrados diariamente, tão negros e terríveis como aqueles pelos quais os pecadores do velho mundo foram destruídos.

“Antes do dilúvio, Deus enviou Noé para advertir o mundo, a fim de que o povo pudesse ser levado ao arrependimento, e assim escapar da destruição ameaçada. Ao aproximar-se o tempo do segundo aparecimento de Cristo, o Senhor envia Seus servos com uma advertência ao mundo para que este se prepare para aquele grande acontecimento. Multidões têm estado a viver em transgressão à lei de Deus, e agora Ele, misericordiosamente, os chama para obedecerem aos Seus sagrados preceitos. A todos os que abandonarem seus pecados pelo arrependimento para com Deus e fé em Cristo, se oferece o perdão.

“Muitos, porém, acham que requer um sacrifício demasiado grande abandonar o pecado. Porque sua vida não se harmoniza com os princípios puros do governo moral de Deus, rejeitam-Lhe as advertências, e negam a autoridade de Sua lei.

“Diz o apóstolo Pedro: “Nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da Sua vinda porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio.” II Ped. 3:3 e 4. Não ouvimos estas mesmas palavras repetidas, não simplesmente pelos declaradamente ímpios, mas por muitos que ocupam o púlpito em nosso país? “Não há motivo para alarme”, exclamam eles. “Antes que Cristo venha, todo o mundo se converterá, e a justiça reinará durante mil anos. Paz! paz! todas as coisas continuam como eram desde o princípio. Que ninguém se perturbe com a excitante mensagem desses alarmistas.” Mas tal doutrina do milênio não se harmoniza com os ensinos de Cristo e Seus apóstolos.

“Jesus fez a significativa pergunta: “Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na Terra?” Luc. 18:8. E, conforme vimos, Ele declara que o estado do mundo será como nos dias de Noé.

“Paulo nos adverte que podemos esperar a iniqüidade aumentar ao aproximar-se o fim: “O Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios.” I Tim. 4:1. O apóstolo diz que “nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos”. II Tim. 3:1. E ele dá uma lista surpreendente de pecados que se encontrarão entre os que têm uma forma de piedade.

“Estando a encerrar-se o seu tempo de graça, entregavam-se os antediluvianos a divertimentos e festas excitantes. Os que possuíam influência e poderio aplicavam-se em conservar a mente do povo ocupada com júbilo e prazer, para que não acontecesse alguém ficar impressionado pela última e solene advertência. Não vemos o mesmo repetido em nossa época? Enquanto os servos de Deus estão a dar a mensagem de que o fim de todas as coisas está às portas, o mundo se absorve em divertimentos e busca de prazeres. Há uma constante seqüência de sensações que ocasiona a indiferença para com Deus, impede o povo de se impressionar com as verdades que, unicamente, o podem salvar da destruição vindoura.” (Patriarcas e Profetas, págs. 101-103)

E enquanto isto o professo povo de Deus vive em conformidade com o mundo em suas maneiras, diversões, usos e costumes. O mundo caminha para uma rápida destruição e a maioria do povo da igreja remanescente não está apercebida dos tempos em que vivemos, porque não lê, não estuda, não busca por si mesmo aprender da palavra de Deus. Eles esperam que os pastores possam passar-lhes a mensagem, Confiam sua alma à eles e infelizmente tarde demais descobrirão que fizeram como as virgens loucas da parábola de Mateus 25, não buscando o óleo da presença do Espírito Santo, através da Bíblia e dos Testemunhos do Espírito de Profecia – perecendo junto com pagãos, estando em pior estado que eles, pois tiveram grande luz, mas não andaram de acordo com ela.